Tabela FIPE Ford Courier



Veja aqui os preços do Ford Courier na Tabela FIPE.

A Courier foi produzida desde o ano de 1997. A picape, que é derivada do Ford Fiesta, conseguiu sobreviver ao tempo meio aos “trancos e barrancos”. Pelo bem da verdade, uma observação deve ser feita: Ela na realidade só chegou ao Brasil em 1995, na época era importada da Espanha, em 1996 começou a ser produzida aqui e no ano seguinte seu lançamento foi anunciado. Ela chegava ao mercado com o principal objetivo de substituir a Pampa, que por sua vez, também teve seus momentos de glória.



Em 2000 e acompanhando o Fiesta, a Courier ganhou uma reestilização. Foi nessa época que o motor Zetec 1.6 acabou sendo implantado no modelo. Em termos gerais a Courier não sofreu alterações importantes desde essa reestilização ocorrida em 2000. Isso fez com que ela deixasse de acompanhar o Fiesta nas alterações. Este último teve até uma mudança em sua plataforma.

Seguindo com a trajetória da Courier, em 2001 a picape ganhou sua versão Sport. Passados cinco anos, agora em 2006, os consumidores conheceram a versão Van do modelo. Mais uma reestilização chegou para o modelo no ano seguinte. Mas ainda assim a plataforma continuava sendo a mesma. Nesse período a única modificação que iríamos ver era a versão Flex nos modelos que já estavam sendo produzidos para o ano de 2008.



No finalzinho do mês de dezembro de 2007, pouco depois do Ford Ka ter aparecido no mercado, um rumor começou a circular em diversos meios de comunicação apontando para o fato de que a Courier ganharia uma “opção” chamada de KAurier. Basicamente ela seria uma Courier com o estilo conhecido no Ford Ka de então. Se isso se tornasse realidade, a mudança seria muito grande. Basta considerarmos o fato de que a Courier tinha o hábito de ir atrás do Fiesta.

Leia também:  Tabela FIPE Chevrolet Cavalier

Já foi possível perceber apenas por esses pontos citados que a Courier deixou muito a desejar quando o assunto era a evolução do carro. O ponto mais interessante disso tudo é que a maior culpada pode ter sido a fabricante, já que encarava o carro como um produto exclusivo para o trabalho e que, por isso mesmo, deixaria a desejar em relação a outros usos.

Em 2013 a marca decidiu suspender a produção do carro na planta da montadora de São Bernardo do Campo. Na época a montadora preferiu deixar em suspenso a questão se iria retirar definitivamente de linha a Courier ou não.

Por Denisson Soares

Outros Conteúdos Interessantes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *