Tabela FIPE Chevrolet Suprema




Preços da Tabela Fipe para Chevrolet Suprema

Legenda:
G = Gasolina ou Flex
E = Etanol
D = Diesel

1996

  • CD 4.1 / 3.0 (G): R$ 16.913,00
  • GLS 2.2 / 2.0 (G): R$ 11.079,00
  • GLS 4.1 (G): R$ 12.954,00

1995

  • CD 4.1 / 3.0 (G): R$ 13.923,00
  • GL 2.0 (E): R$ 7.524,00
  • GL 2.0 (G): R$ 9.097,00
  • GLS 2.2 / 2.0 (G): R$ 9.351,00
  • GLS 2.2 / 2.0 (E): R$ 8.459,00
  • GLS 4.1 (G): R$ 12.487,00

1994

  • CD 4.1 / 3.0 (G): R$ 12.590,00
  • Diamond (G): R$ 10.110,00
  • GL 2.0 (G): R$ 7.070,00
  • GLS 2.2 / 2.0 (G): R$ 8.965,00
  • GLS 4.1 (G): R$ 10.729,00

1993

  • CD 4.1 / 3.0 (G): R$ 11.052,00
  • GLS 2.2 / 2.0 (G): R$ 8.401,00

Confira aqui os preços do Chevrolet Suprema na Tabela FIPE.

Depois de seis anos de aparecer na Europa, o Omega enfim chegava ao Brasil. Para se adaptar ao “estilo” do mercado nacional, o carro ainda precisou de cerca de dois anos, fato que na época foi tido como recorde. A questão é que a GM não estava afim de perder tempo já que novamente o Brasil estava aberto para as importações de automóveis. Sendo assim, o Omega era basicamente a resposta da fabricante para outras marcas estrangeiras que também apareciam por aqui.


Inicialmente tivemos as versões GLS e CD. Sendo que a primeira era equipada com um motor 2.0 de quatro cilindros e o segundo 3.0 de seis cilindros. O carro media 7,74m de comprimento, com 2,73m de distância entre-eixos. Além de um bom espaço interno com cinco lugares, ainda tinha um porta-malas interessante com capacidade para 520 litros.

Do Monza o carro herdou o motor 2.0. Entretanto, tinha injeção eletrônica digital multiponto, sendo capaz de entregar 116 cv de potência. Em comparação o Monza “dava” 110cv. Mas o destaque mesmo acabava ficando com o bloco 3.0 de seis cilindros. Importado da Alemanha. Aqui tínhamos 165 cv e 23,4 kgfm. De acordo com a Chevrolet, o carro podia atingir a velocidade máxima de 195 km/h com o 2.0 e 210 km/h com o 3.0. A aceleração de 0 a 100 km/h era de somente 9,5s.

Também iríamos conhecer a versão perua do Omega. Isso em 1993, depois de o carro já ter sido eleito como “carro do ano” por algumas revistas especializadas no setor automotivo. Bom, a versão perua era baseada no sedã e foi chamada de Omega Suprema. O modelo se diferenciava por possuir algumas características próprias. Um dos seus destaques era o porta-malas, que comportava 540 litros.


A Suprema também tinha seus diferenciais. Entre eles o sistema de nivelamento pneumático, que permitia manter a altura traseira e isso independentemente se estivesse carregada ou vazia.

Ainda em 1993, também seria apresentada ao mercado a opção movida a álcool. Para este fim foi escolhido o bloco 2.0, que ia a pouco mais de 130 cv. Com isso, ele se tornou o mais potente do mercado a possuir esta cilindrada.

O problema é que o carro não caiu no gosto dos brasileiros e teve que ser descontinuado pouco tempo depois.

Para tentar contornar essa situação, a GM apresentou uma versão simplificada. A GL, esta tinha a mesma mecânica da GLS, porém, a lista de itens era um pouco menor. Mesmo assim, em 1994 a GM lançou um dos modelos raros de sua trajetória, a edição Diamond do carro. Também baseada na GLS, mas com um motor 3.0.

Por Denisson Soares

Compartilhe esta notícia