Tabela FIPE Chevrolet Corvette





Preços da Tabela Fipe para Chevrolet Corvette

Legenda:
G = Gasolina ou Flex
E = Etanol
D = Diesel

2015

  • 5.7/ 6.0, 6.2 Conv./Stingray (G): R$ 415.451,00
  • 5.7/ 6.0, 6.2 Targa/Stingray (G): R$ 351.969,00

2014

  • 5.7/ 6.0, 6.2 Targa/Stingray (G): R$ 301.452,00

2013

  • 5.7/ 6.0, 6.2 Targa/Stingray (G): R$ 265.291,00

2012

  • 5.7/ 6.0, 6.2 Conv./Stingray (G): R$ 282.464,00
  • 5.7/ 6.0, 6.2 Targa/Stingray (G): R$ 252.498,00

2011

  • 5.7/ 6.0, 6.2 Conv./Stingray (G): R$ 270.120,00
  • 5.7/ 6.0, 6.2 Targa/Stingray (G): R$ 243.322,00

2010

  • 5.7/ 6.0, 6.2 Conv./Stingray (G): R$ 261.120,00
  • 5.7/ 6.0, 6.2 Targa/Stingray (G): R$ 219.454,00

2009

  • 5.7/ 6.0, 6.2 Conv./Stingray (G): R$ 228.784,00
  • 5.7/ 6.0, 6.2 Targa/Stingray (G): R$ 197.704,00

2008

  • 5.7/ 6.0, 6.2 Conv./Stingray (G): R$ 199.652,00
  • 5.7/ 6.0, 6.2 Targa/Stingray (G): R$ 184.261,00

2007

  • 5.7/ 6.0, 6.2 Conv./Stingray (G): R$ 191.120,00
  • 5.7/ 6.0, 6.2 Targa/Stingray (G): R$ 178.484,00

2006

  • 5.7/ 6.0, 6.2 Targa/Stingray (G): R$ 148.587,00

2005

  • 5.7/ 6.0, 6.2 Targa/Stingray (G): R$ 139.965,00

2004

  • 5.7/ 6.0, 6.2 Targa/Stingray (G): R$ 109.881,00

2002

  • 5.7/ 6.0, 6.2 Conv./Stingray (G): R$ 112.616,00
  • 5.7/ 6.0, 6.2 Targa/Stingray (G): R$ 104.631,00

2001

  • 5.7/ 6.0, 6.2 Targa/Stingray (G): R$ 96.019,00

2000

  • 5.7/ 6.0, 6.2 Conv./Stingray (G): R$ 105.452,00
  • 5.7/ 6.0, 6.2 Targa/Stingray (G): R$ 93.176,00

1999

  • 5.7/ 6.0, 6.2 Conv./Stingray (G): R$ 100.425,00
  • 5.7/ 6.0, 6.2 Targa/Stingray (G): R$ 89.800,00

1998

  • 5.7/ 6.0, 6.2 Targa/Stingray (G): R$ 86.650,00

1995

  • 5.7/ 6.0, 6.2 Conv./Stingray (G): R$ 90.578,00
  • 5.7/ 6.0, 6.2 Targa/Stingray (G): R$ 82.147,00

1994

  • 5.7/ 6.0, 6.2 Targa/Stingray (G): R$ 76.438,00

1993

  • 5.7/ 6.0, 6.2 Targa/Stingray (G): R$ 73.687,00

1992

  • 5.7/ 6.0, 6.2 Targa/Stingray (G): R$ 71.264,00

1991

  • 5.7/ 6.0, 6.2 Conv./Stingray (G): R$ 85.012,00
  • 5.7/ 6.0, 6.2 Targa/Stingray (G): R$ 67.999,00

Confira os valores do Chevrolet Corvette na Tabela FIPE.

O velho ditado popular que diz “que quem nasceu para ser rei, nunca perde a majestade”, é perfeitamente aplicável no caso do Corvette. A história desse clássico que até hoje é tido como um dos maiores símbolos de esportividade do mundo dos automóveis tem seu início nos idos anos de 1950. Nessa época, tanto o pessoal da GM quanto da Ford estavam incomodados com o fato de que os americanos estavam criando o hábito de comprar carros esportivos importados oriundos da Europa. O problema é que não havia nenhuma alternativa até então que pudesse fazer concorrência com os modelos que viam do velho continente.




Foi assim que no ano de 1953 surgiu o chamado projeto EX-122, desenvolvido por engenheiros da GM. Pouco tempo depois, na verdade apenas alguns meses, o projeto já tinha virado um carro esportivo com uma carroceria de fibra de vidro e espaço para dois lugares. O nome dele? Chevrolet Corvette.

Entre os anos de 1953 e 1955, a carroceria do carro permaneceu sendo a mesma idealizada para o projeto EX-122. Nesse período o carro contava com faróis relativamente grandes e redondos, que eram protegidos por uma grade de metal. A traseira já se tornaria clássica conhecida como “rabo de peixe”. O motor que integrava o carro era um de seis cilindros. Ainda no ano de 1955 esse motor seria substituído por um V8 “compacto”.


No ano seguinte a traseira “rabo de peixe” foi abandonada. Além de algumas mudanças visuais, o carro era disponibilizado na versão conversível e cupê. Em 1957 o V8 recebeu a injeção eletrônica Rochester. Com isso, o Corvette passou a ser tido como um esportivo de ponta.

Praticamente de ano em ano o carro foi recebendo algumas modificações para sua evolução. Em 1958, o Corvette ganhou mais alterações em seu desenho. Novos faróis, as aberturas no capô e os vincos bem como as grades aumentaram o “ar” de agressividade do carro. Aqui o interior do carro também passou por modificações.

Curiosamente, as aberturas no capô foram embora um ano depois. Mas demais detalhes ainda seguiram presentes no Corvette até 1960. Em 1965, o carro ganhou freios a disco, que foram instalados nas quatro rodas de todos os modelos com 6,5 litros e 425 cv. Um ano mais tarde a cilindrada do carro subiria para 7. Também foi retirada a injeção Rochester e em seu lugar chega a Holley. Em 1968, o carro passaria por uma nova reestilização.

O acabamento interno feito em madeira e bancos em couro só chegariam no Corvette no ano de 1970.

Dando um salto no tempo chegamos a 1990, com o Corvette CREV III. Este tinha um motor V8 de 5,7 litros. Eram 32 válvulas e 650 cv.

Em 1997 a fabricante novamente chama a atenção ao apresentar o C5 todo modernizado e que incorporava o novo motor V8 com 345 cv.

De fato, ano a ano o Corvette foi conquistando seu lugar entre os carros clássicos que virariam mitos. E claro, quem conheceu um dificilmente esquecerá.

Por Denisson Soares

Compartilhe esta notícia