Tabela FIPE Fiat 147





Preços da Tabela Fipe para Fiat 147

Legenda:
G = Gasolina ou Flex
E = Etanol
D = Diesel

1988

  • Pick-Up (todas ) (G): R$ 3.088,00

1987

  • C/ CL (G): R$ 2.848,00
  • Furgão (todos) (G): R$ 2.301,00
  • Pick-Up (todas ) (G): R$ 2.680,00

1986

  • C/ CL (G): R$ 2.755,00
  • Furgão (todos) (G): R$ 2.196,00
  • Pick-Up (todas ) (G): R$ 2.588,00

1985

  • C/ CL (G): R$ 2.640,00
  • Furgão (todos) (G): R$ 2.058,00
  • Pick-Up (todas ) (G): R$ 2.345,00

Confira aqui os valores do Fiat 147 na Tabela FIPE.

É surpreendente, mas muita gente, principalmente a nova geração, desconhece o sucesso que foi o Fiat 147. Chegam até a subestimá-lo por seu tamanho e seu design quadradinho. Mas a verdade é que a produção desse automóvel foi um marco para o Brasil.

Sua história teve início em 1976, quando o Brasil recebeu pela primeira vez a Fiat Automóveis S. A. A partir de então começou a produção do popular Fiat 147, que foi inspirado em um modelo Italiano, o 127, um lançamento de 1971 que fazia muito sucesso.




Dessa forma, o carro produzido em terras brasileiras foi apresentado no Salão do Automóvel. A princípio, o modelo recebeu muitas críticas pelo tamanho, que era menor do que o Fusca, pelo som estridente que vinha do escapamento de quatro marchas e pela posição do volante, que era mais para o horizontal. Porém, seu design, que seguia as tendências da época, chamava a atenção.

O Fiat 147 tinha a carroceria semi-break ou semiperua, que era composta de uma carroceria de dois volumes e três portas. Seus faróis eram quadrados com os cantos arredondados, que combinavam com frisos horizontais e grade preta, além das luzes de direção retangulares acima do para-choque. O painel funcional exibia um velocímetro com um diferenciado ponteiro amarelo mais uma luz espia. O volante posicionado mais para a horizontal, garantia mais espaço interno, pois o motorista assumia uma posição mais ereta. Embora seu pequeno tamanho, o seu interior comportava de 4 a 5 ocupantes. Sem falar que havia um considerável espaço para bagagens.


Seu grande destaque, aliás, uma importante novidade era o item de série, o para-brisa laminado, que garantia mais segurança em caso de se quebrar, pois não havia o estilhaço.

O motor, com potência de 56 cv, também trazia como novidade a sua posição, que era transversal.

O modelo foi exportado em grande número, até mesmo para a Itália, cujo modelo 127 serviu de inspiração para o brasileiro 147. A única diferença é que estes que eram exportados tinham o motor a diesel e foram chamados 127 D, se tornando o menor carro do mundo movido a diesel.

Sem dúvidas o Fiat 147 foi marcante para a história dos automóveis no Brasil, abrindo a porta para diversos modelos, até os dias atuais.

Sirlene Montes

Compartilhe esta notícia