Vistoria Cautelar Veicular – O Que é e Como Fazer?





Saiba aqui o que é Vistoria Cautelar Veicular e como faze-la.

Comprar e vender um carro podem ser ações simples, mas também podem trazer diversos prejuízos e problemas, principalmente para quem compra, caso o veículo não tenha sido devidamente inspecionado antes da compra. Para evitar aborrecimentos na compra de um carro usado, a vistoria cautelar pode ser uma grande aliada do comprador. Saiba o que é a vistoria cautelar e como fazê-la antes de fechar negócio.

A vistoria cautelar, ou perícia cautelar, é uma vistoria bastante utilizada por financeiras, lojas de carro e pessoas físicas que desejam comprar ou adquirir um carro. Através de uma análise rigorosa de identificação do veículo, procedência, numeração de chassi e numeração de motor, o vistoriador identifica se o carro já sofreu algum tipo de sinistro, se possui restrições judiciais, se tem histórico de leilão, se possui débitos, se o veículo está em lista de recall ou já precisou de algum tipo de recall, entre outras informações preciosas sobre o carro.




Durante o processo de vistoria também é possível verificar a pintura do modelo, através de um teste que comprova que a cor não foi alterada, lacração, autenticidade da placa do veículo, gravação de vidros, originalidade das peças do motor e possíveis reparos realizados na lataria do carro. Após a verificação total, um laudo é emitido com todas as informações obtidas pela empresa de vistoria, que pode ser decisivo para formalização ou não do negócio.

Atualmente diversas empresas especializadas em vistoria de veículos realizam a vistoria cautelar em carros, caminhões, motos e podem atender aos clientes nas unidades físicas de cada empresa ou até mesmo em domicílio, através de agendamento prévio. Para realizar a vistoria, é preciso estar com o veículo presente no local e estar munido do Certificado de Registro e Licenciamento de Veículo (CRLV). O processo dura em torno de uma hora e o valor cobrado pelas empresas varia em média entre R$ 90 e R$ 200.


O único defeito da vistoria cautelar é não conseguir identificar problemas que se escondam por debaixo do capô: a mecânica do veículo não é atestada neste tipo de vistoria, não sendo possível, portanto, atestar se o veículo está ou não em boas condições de uso. Neste caso, a melhor opção para o comprador é fazer o conhecido test-drive e verificar, ao dirigir o carro, se o câmbio e motor estão em condições, assim como rodas, pneus, freios, embreagem e outros componentes, que podem mostrar algum problema em uma simples volta no quarteirão e evitar uma compra equivocada.

André Barbirato

Compartilhe esta notícia