Carro Autônomo do Google pode receber Autorização da NHTSA





Agência Nacional de Tráfego e Segurança nas Estradas (NHTSA) pode mudar legislação e autorizar circulação do Carro Autônomo do Google.

Você alguma vez já imaginou um carro que andasse sozinho, sem motorista no volante? Saiba que seu pensamento está longe de ser uma imaginação, pois o Google está testando seu mais novo projeto dos últimos anos: o carro autônomo.

Recentemente, houve até um pedido do Google à Agência Nacional de Tráfego e Segurança nas Estradas (em inglês, NHTSA), para que a mesma passasse a considerar automóveis dirigidos por sistemas eletrônicos. Foi entregue uma carta à NHTSA pelo Google, a qual pedia para que houvesse uma nova configuração da legislação de segurança do país de um modo geral. São carros computadorizados para substituir os humanos perfeitamente, cumprindo a função de guiar o passageiro (que no caso seria o próprio motorista) pelas ruas e até em rodovias e estradas.




Já faz um bom tempo que o Google vem testando carros conectados que andam nas ruas dos Estados Unidos, porém, como ainda não há uma legislação para isso, eles colocam uma pessoa dentro desses carros durante os passeios para monitorar os testes. Os resultados mais recentes desses testes mostraram que essas pessoas que monitoravam os automóveis do Google conseguiram evitar mais de treze batidas durante esses passeios. Será que um automóvel autônomo seria mais seguro porque seus padrões de movimentos são todos registrados, a ponto de dispensar a intervenção de um humano?

Em resposta à solicitação do Google, a NHTSA disse que futuramente pode ser que a legislação mude sim, mas que isso ainda vai levar muito tempo para acontecer. Nesse caso, cabe ao Google recorrer à uma exceção desse ofício para seus carros continuarem a andar sem motorista, pelo menos na fase de testes.


A NHTSA disse que compreende o fato de que o automóvel autônomo não precise de motorista para andar, mas que isso para eles é a mesma coisa e só mudam de nome, ou seja, o automóvel autônomo possui um motorista sim, mas ele é "virtual". A agência disse que a interpretação de motorista humano para os automóveis autônomos serão o mesmo que "motorista autônomo", pois ali tem um sistema que dirige automaticamente e não um ocupante do carro que faça isso. Para o Google considerar a causa ganha, será necessário que os carros sejam fabricados sem os componentes que seriam usados por humanos, como volante, pedais, etc.

Por Daniela Almeida da Silva

Compartilhe esta notícia