Recall Chrysler Dodge Journey – 1.490 unidades foram convocadas



Depois de anunciar o recall da Town & Country, a Chrysler também divulgou que 1.490 unidades do Dodge Journey deverão passar pelo mesmo procedimento. Os veículos abrangidos foram fabricados entre novembro de 2007 e novembro de 2008 e no ano de 2010.

Os problemas dos modelos fabricados entre 2007 e 2008 estão relacionados ao chicote elétrico das duas portas da frente. Já os modelos de 2010 deverão passar por uma análise do número de identificação do material usado na mangueira de pressão localizada na direção hidráulica. Os ajustes não serão cobrados dos proprietários.



De acordo com a fabricante, foi constatado que, nos modelos 2007 – 2008, o chicote elétrico pode parar de funcionar e romper depois de algum tempo de uso, o que pode causar a interrupção dos sensores laterais de impacto das portas dianteiras. Isso causaria uma falha na iluminação do alerta de airbag e perda na capacidade de detectar uma possível colisão. Já nos modelos 2010, a mangueira pode sofrer pressão sob determinadas condições e, então, romper-se, causando a perda de fluido da direção hidráulica. Esse vazamento poderá resultar em incêndio no motor.

Para conferir os veículos que estão convocados a participar do recall, pode-se acessar o site www.dodge.com.br ou entrar em contato pelo telefone 0800-703-7140.

Por Matheus Camargo



Compartilhe esta notícia

2 comentários em “Recall Chrysler Dodge Journey – 1.490 unidades foram convocadas

  1. Sou dono de uma Journey e também fui entrevistado pela Quatro Rodas em relação a matéria que saiu em maio/2.013, falando sobre os freios da Journey e Freemont. Na época da publicação da matéria a Chrysler já tinha feito acordo comigo, eles me indenizaram e ainda trocaram minha Journey 2.010 por outra 2.012/2.013, a equipe técnica me convenceu que o problema fazia parte do passado. Hoje, a nova Journey com 9.000 K já passou por duas trocas de discos dianteiros e varias pastilhas, a ultima substituição de disco ocorreu com apenas 1.500 K de diferença uma da outra, mandei fazer laudos técnicos e todos foram reprovados. Em pesquisas na internet e também por meio de um amigo, localizei três acidentes com vitima fatal, apenas um tem a conclusão pericial onde aponta a provável causa do acidente os freios como causador. Fico abismado como as coisas procedem no nosso Brasil, não sei se vocês se lembram do ultimo problema envolvendo o COROLA, pelo fato dos tapetes agarrarem no pedal de freios, o fabricante foi proibido de comercializar o modelo até que solucionasse o problema, assim foi feito e resolvido, porém, poucas pessoas sabem que o primeiro a passar por este problema e abraçar a causa foi um renomado Deputado, ainda não sei o nome, mas segundo um amigo ele deu uma palestra em uma Faculdade de Belo Horizonte – MG e divulgou a autoria de sua participação na suspenção da venda do Corola. Será que vamos ter que investigar se tem um deputado que tenha uma Jorney ou uma Freemont, para que assim possamos ser ajudados a resolver este problema. Encarecidamente eu venho pedir a todos, mandem este relato para o máximo de pessoas, vocês estariam ajudando salvar vidas e impedindo a distribuição de lixo em nosso Brasil. O povo Brasileiro já é muito sofrido para ter que aturar humilhações deste tipo. Obrigado e conto com todos.

  2. Aberração, este é o nome que no momento encontrei para substituir DODGE JOURNEY – CHRYSLER, tem exatos 24 dias que retirei meu carro da Auto Trek, foi substituído pela terceira vez, disco de freios, pastilhas dianteiras e presilhas, o carro estava com 8.238 K. Agora com 9.060 K, foi diagnosticado pelo chefe de oficina (Sr Gustavo), que é necessário trocar TUDO OUTRA VEZ, discos dianteiro por ter empenado e discos traseiros por também estarem com empeno. Ao acionar os freios de minha maravilhosa Journey, ela trepida por inteiro, a trepidação é tanta que da a impressão que o carro vai desmontar. Sinceramente, é inacreditável tudo isto que esta acontecendo, chega a ser deprimente e vergonhoso tamanho descaso e covardia com o consumidor.